sexta-feira, 3 de março de 2017

Conselhos para o jovem engenheiro que montou uma Start-up e vai receber investimento internacional

Eu gosto do pessoal da engenharia. Eu quase cursei engenharia elétrica na USP (fiquei na lista de espera) e já trabalhei em várias empresas em que a engenharia era a parte dominante. 

Este post é para você, engenheiro jovem, que montou uma pequena empresa com seus colegas, começou a ver o negócio dar certo e agora recebeu uma proposta de investimento de alguma aceleradora estrangeira, ou de um investidor estrangeiro, ou mesmo de um investidor brasileiro que vislumbra potencial no negócio. 


COMO FUNCIONA O PROCESSO

Um investidor que tenha dinheiro em caixa tem, sem exagero, milhares de opções de tecnologias em que pode investir. 

Eu já assessorei investimentos relativos a tecnologia nas áreas de LED, software naval, software para meios de pagamento e transações financeiras, engenharia aeroespacial, economia de energia, logística, publicidade e outras.  

Existem empresas especializadas em selecionar tecnologias Olheiro especializados nisso. Sites e mais sites com inventores pedindo investimentos.

Para o investidor, não é só a inovação técnica que é importante, mas o custo do investimento, a possibilidade de crescimento rápido e a possibilidade de uma saída limpa, ou seja, de se retirar muito dinheiro da empresa, bem rápido. 

Assim, tudo o que o investidor idealmente busca é: 

a) um documento que  "trave" a tecnologia dentro da empresa ou do grupo de inventores. Pode ser um acordo assinado com os inventores, ou a compra de uma patente, ou a compra dos protótipos já construídos;

Por exemplo, um acordo que proíba os inventores de abrirem uma empresa concorrente, ou de irem trabalhar em outra empresa da mesma área, por um período de 02 anos. 

b) um documento que dê ao investidor controle sobre os rumos da empresa;

 Isso é muito importante. 

100 mil reais pode parecer muito dinheiro para um grupo de jovens inventores do sul de Minas, ou da Fatec. Mas 100 mil reais são, hoje, 30 e poucos mil dólares. Dinheiro de troco para empresas especializadas em investimentos. 

O que esta empresa deseja não é garantir que ela terá um capital social de 100 mil reais. O que ela quer é, por meio dos 100 mil reais, ganhar controle sobre a exploração da tecnologia. 

Porque CONTROLE é mais importante que  PARTICIPAÇÃO, na maioria dos casos. 

O investidor que detém o controle pode decidir se a tecnologia será vendida a um terceiro, ou se algum dos inventores-fundadores será expulso do projeto.

c) um documento que detalhe os procedimentos para a liquidação dos ganhos

O investidor quer saber quando ele poderá vender a parte dele na empresa e realizar seus lucros. 

Nos casos mais famosos, isso é feito por meio de abertura de capital em bolsa (IPO). Mas existem muitas outras maneiras

Um investidor pessoa física pode estar mais interessado em arranjar um emprego como diretor da empresa, que lhe garanta um salário de 15 mil reais por mês, por pelo menos 05 anos.

Outros investidores podem julgar que vale a pena licenciar a tecnologia para uma empresa maior, e obter 15% da taxa de licenciamento pelos próximos 10 anos (isso acontece muito naquele programa "Shark Tank").

De um jeito ou de outro, o investidor colocará dinheiro na empresa com a finalidade de obter controle, para depois usar o controle como forma de determinar a maneira de extrair dinheiro do investimento. 


VOCÊ NÃO É O PRIMEIRO, NEM É ESPECIAL

Uma empresa especializada em investimentos pode fazer 50 pequenos investimentos por ano. Isso quer dizer que eles farão reuniões com 50 grupos de jovens engenheiros, servirão café para todos, comentarão que a proposta é inovadora e brilhante, etc, etc. 

Pode ser um dia especial para você, ser recebido num grande escritório de advocacia ou numa aceleradora na Inglaterra. Para a pessoa do outro lado da mesa, você é só a reunião de terça pela manhã. 

Por isso, mantenha a calma. É melhor entender como a indústria de investimentos em Start-ups funciona e se adequar ao fluxo do que fantasiar que você é o maior gênio da terra e que sua experiência é única e incomparável. 


AS NORMAS SOBRE INVESTIMENTO EXISTEM HÁ MAIS TEMPO DO QUE VOCÊ

Desde a época das grandes navegações portuguesas já há registros de sociedades mais ou menos nos moldes das companhias que temos hoje.

Os holandeses e os ingleses aperfeiçoaram bastante o modelo. Lembre-se de que a Companhia das Índias Orientais era basicamente uma sociedade anônima que controlava uma frota naval e um exército de tamanho razoável.

Então, é preciso ter humildade. Certamente você, como engenheiro, participou da criação de algo único e valioso: seu software, sua invenção, etc. O seu momento de glória e reconhecimento aconteceu quando um investidor se interessou pelo projeto.

Depois disso, é você que terá que reconhecer como o sistema capitalista de financiamento é um mecanismo avançado e científico.


NÃO SEJA CÍNICO, MAS NÃO SEJA IDIOTA


A ideia de que ninguém é confiável, que todos são raposas, que nada faz sentido, tudo isso é uma espécie de paranoia infantil. Em outras palavras, um tipo de cinismo.

Não seja cínico. O processo de captação de recursos é profissional e formal. Isso quer dizer que você não pode ser ingênuo nem tolo, ou certamente fará maus negócios.

Mas não quer dizer que o mercado está numa conspiração para enganá-lo.

É preciso ter confiança nos parceiros, ainda que a confiança esteja ancorada num contrato.

Sabendo de tudo isso, recomendo que você seja claro e objetivo durante a negociação. Procure saber qual o nível de controle que o investidor deseja ter sobre a empresa. Descubra também qual é a estratégia de saída do investidor. Pode ser que seja interessante para você ter uma estratégia de saída idêntica (ex: vender tudo e ficar rico). Ou poder ser que você queira uma estratégia de saída diferente (ex; continuar na empresa e desenvolver novas tecnologias). Desde que as posições estejam claras, não há motivo para haver conflito, arrependimento ou para que você se sinta passado para trás.

E, contrate um advogado para ajudá-lo.
















Nenhum comentário:

Postar um comentário

Os comentários servem para discussões teóricas e para comentários políticos e econômicos. Se você precisa de auxílio em matérias de Direito Internacional, escreva para contato@adler.net.br.